Próximo Jogo
Futebol
< Voltar atrás
14 / 04 / 2021

"Não me iludo mas quero ser uma referência"

Herculano partilha objetivos e ambição

São já mais de 50 os golos por si apontados no berço de Portugal. O ‘caçula’ da equipa B usa, por isso, a coroa no que aos golos diz respeito, assumindo-se como o melhor marcador do Vitória no Campeonato de Portugal. Ainda com 16 anos, deu o pontapé de saída nesta temporada ao serviço dos Sub-23, onde marcou e se estreou com a braçadeira de capitão. Desde então, este diamante em bruto tem sido lapidado para estar cada vez mais preparado para os grandes palcos. Herculano Nabian não tem pressa e assegura que o percurso está “bem sustentado”. “Tenho total confiança nas pessoas que gerem o Clube e nos treinadores que me orientam. Joguei nos Sub23 e na equipa B e é aqui que quero cimentar a minha posição, porque sei que ainda sou muito jovem. Como é óbvio tenho o objetivo de chegar à equipa A, de me tornar uma referência no Clube, mas sei que tenho de dar um passo de cada vez. Nunca tirei os pés do chão nem me iludi com o que possam dizer ou até mesmo com a minha cláusula de rescisão. O meu pai diz-me todos os dias que tem muito orgulho em mim mas não me deixa descansar porque posso ser uma peça importante hoje e amanhã já não o ser. Há muitos jogadores que chegam rápido ao topo e depois perdem-se no caminho e eu quero subir mas aprender a ser cada vez melhor”, começou por dizer. 

Já com 17 anos, o jovem internacional fez por merecer a confiança de Bino Maçães e justificou sempre a aposta. O mais recente exemplo foi o hat-trick apontado ao Rio Ave B, num duelo que garantiu o apuramento para o Play-off de acesso à Liga 3. Desafiamos o avançado a escolher o seu preferido e a resposta foi, uma vez mais, a pensar no coletivo: “Gostei muito do primeiro golo, daquela triangulação com o João Fernandes. Mas, mais do que a forma como chegamos ao golo, foi o significado de ter marcado logo aos três minutos. Vínhamos de uma paragem, a equipa precisava de ganhar e tê-lo feito logo no abrir do jogo acabou por nos libertar de qualquer pressão que pudesse existir e condicionar o nosso trabalho”, lembrou.

“As apostas têm sido uma constante”

Fruto da tenra idade e da qualidade que apresenta, Herculano é uma das joias da coroa. No entanto, o ‘matador’ reconhece que há várias peças valiosas oriundas da formação vitoriana. Para o jogador, “as apostas nos jovens jogadores têm sido uma constante”, e relembra o nome de alguns colegas que têm estado em evidência: “Ainda me lembro de treinar com o Amaro na equipa B e agora é um dos titulares da equipa principal. Além dele, também o Hélder já se estreou, depois de ter feito um excelente campeonato nos Sub23. Isto passa uma mensagem interna importante, mostra-nos que todos contam, que não importa a nossa idade e que os responsáveis estão atentos. E estas apostas não são apenas na equipa A, ainda este fim-de-semana tivemos a estreia do Gui a titular, tivemos uma vez mais o Maga no onze da equipa e o Gonçalo ainda marcou”.

Real Madrid é sonho de criança

Foi já com 10 anos que Herculano chegou ao futebol. Pelas mãos do pai, o avançado teve de prestar provas no Algueirão, em Sintra, para não pagar a mensalidade. O primeiro teste foi concluído com sucesso, naturalmente, e aí deu início ao seu percurso com a bola. Seguiu-se o Belenenses e, três épocas depois, o telefone tocou com as palavras mágicas: Vitória Sport Clube. “Quando apareceu o convite eu fiquei muito feliz porque o Vitória é um dos maiores clubes de Portugal. Senti que a minha vida podia mudar e assim foi. O dia de amanhã é sempre uma incógnita e eu tenho procurado aproveitar todas as oportunidades”, disse.

Não será certamente amanhã que o jogador irá cumprir um sonho mas é o trabalho atual e diário que o fará alcançá-lo. Fã de Lukaku, a quem considera “uma referência”, Herculano confessou que “admiro o Real Madrid desde criança e um dos meus sonhos é lá chegar”. A admiração pelo emblema espanhol não vai, no entanto, de encontro às suas preferências no que às competições dizem respeito: “Gostava de um dia chegar à Premier League ou à Série A, porque dizem que o campeonato italiano é muito difícil e eu gosto de coisas difíceis”.

Para já, este diamante vai brilhando nas competições portuguesas, com a certeza de que o seu brilho irá continuar a iluminar o nosso castelo.

"Não me iludo mas quero ser uma referência"