Próximo Jogo
Futebol
< Voltar atrás
09 / 06 / 2021

“Foi espetacular marcar na primeira vez que vesti esta camisola”

“Foi espetacular marcar na primeira vez que vesti esta camisola”

Vidazinha cumpre primeiro ano no Vitória SC

O telefone tocou a 1 de Abril. “É mentira!”, pensou. Foi assim a reação de Vidazinha aquando do contacto do Vitória SC em 2020. Em plena pandemia, e num período difícil para os jovens atletas, Gonçalo recebeu a melhor das notícias. “Estava no primeiro ano de Juniores e de repente vimo-nos obrigados a estar em casa. A situação era complicada para mim e para todos os meus colegas mas quando o meu pai me disse que o Vitória estava interessado eu não acreditei logo. Aliás, o meu pai achava que estavam a brincar porque o primeiro contacto foi feito no dia 1 de Abril mas depois as conversas foram avançado e aqui estou”, relembrou.

Um ano depois, e precisamente a 1 de Abril, outra boa notícia, agora transmitida olhos nos olhos: a estreia na Liga Revelação.  Vidazinha ou Vida, como os colegas o tratam, foi chamado para o jogo com o Boavista e, perdoe-me caro leitor, mas a estreia obriga-me a usar um cliché: Estrear, brilhar e marcar. “Tive a felicidade de poder jogar no último jogo dos Sub-23, com o Boavista, e ainda me estreei a marcar. Foi espetacular porque foi a primeira vez que vesti oficialmente a camisola do Vitória e ter abrilhantado esse momento com um golo foi realmente uma sensação incrível”, disse.

Foi então que os vitorianos puderam ver, pela primeira vez, o extremo a festejar. A forma como o faz também é especial e tem significado: “Quando marco, tenho o hábito de fazer aquele gesto a indicar uns óculos porque quero dizer às pessoas para estarem atentas ao meu trabalho. Felizmente, aqui, no Vitória, tenho sentido que os responsáveis estão atentos, aliás, daí já ter sido chamado aos Sub-23”.

“Estamos com uma condição física incrível”

O acesso aos estádios está ainda vedado e, por isso, os adeptos vitorianos não tiveram a felicidade de assistir ao vivo a qualquer jogo da formação. Ainda assim, diz quem vê, que a equipa de Sub-19 pratica um futebol de encantar. As razões para esta qualidade são várias e Vidazinha aponta algumas: “Estamos com uma condição física incrível e isso tem-nos ajudado a manter o ritmo alto o jogo todo. Além disso, só um grupo com qualidade conseguia fazer o jogo que fizemos diante do Benfica. Estivemos com menos um jogador desde os 30 minutos e ainda acabamos o jogo por cima, a poder vencer. Só uma equipa com a nossa qualidade e união é que conseguiria reagir assim à expulsão e olhar sempre nos olhos do adversário”, atestou o jogador, orgulhoso do seu grupo de trabalho.

“Somos das melhores equipas com e sem bola”

Numa análise à equipa de Sub-19, rapidamente se encontram vários atletas que vestem de rei ao peito há muitos anos. Vidazinha é uma das excepções mas nunca se sentiu rejeitado ou excluído. “Há jogadores que estão cá há oito e dez anos, que nunca saíram daqui e que ajudam imenso aos novatos. Eu fui muito bem recebido e integrado e eles ajudaram-me a fazer sentir o que é o Vitória. Por exemplo, eu joguei no Abambres e no Vila Real, que são dois clubes rivais, mas a rivalidade lá não é tão intensa como aqui. Já joguei um dérbi e percebi (risos)”.

O dérbi foi apenas mais um dos jogos já disputados e onde o Vitória somou pontos. Tem sido assim nas quatro jornadas já disputadas. Os Conquistadores não conhecem ainda o sabor da derrota e querem adiar essa amargura até ao último apito final. “Não quero parecer arrogante ou vaidoso mas somos das melhores equipas, com e sem bola.  Queremos vencer os três jogos que ainda vamos disputar. Aqui há muita qualidade e para se ter um lugar não podemos adormecer”, concluiu.

 

“Foi espetacular marcar na primeira vez que vesti esta camisola”